15 de mai de 2009

Roupa de homem não dá em menino.

Aconteceu o que eu queria: mexer com o pessoal que há muito tempo vem, em nome da tradição, se utilizando de simbologias que só reforçam o preconceito, o racismo e a agressão à estima do outro. Pior, os alunos pagam para ser desrespeitado. Como estratégia para sensibilizar os incautos estão dizendo que eu quero desqualificar o mestre Bimba. Até Jesus Cristo entrou na roda como a pessoa que deu apelido a S. Pedro, ou que até ele mesmo tinha o apelido de Jesus Nazareno. Graças a esse mesmo Jesus não temos mais inquisição. Daqui a pouco, mais uma vez em nome da tradição, vão querer crucificar o aluno. Um outro achou que descobriu a pólvora, divulgando que no Rio de Janeiro eu, até usei e dei cordéis aos meus alunos. É verdade, sim. Em um determinado momento, muito curto, da minha história como mestre de capoeira no Rio de Janeiro acreditei que, aliando-me aos movimentos da época estaria ajudando à capoeira no seu desenvolvimento. Quando observei, em tempo, que algumas práticas seriam prejudiciais aos objetivos sócio-políticos da capoeira, deixei-os de lado e comecei a chamar a atenção daqueles que ainda não tinham observado tais armadilhas. Caso haja o interesse, é possível encontrar várias histórias, em que capoeiristas que depois de algum tempo abriram mão de práticas que não condiziam com o que ele/ela acreditava.Numa recente reportagem para um jornal de grande circulação, aqui na terra do Senhor do Bonfim, o meu amigo Nenel afirmou que um dia tentou usar as faixas ou cordões mas voltou atrás quando observou que tal prática acabou indo contra os princípios que ele tinha da capoeira: quem sabe mais ajuda quem sabe menos. Com o advento das graduações, nos moldes que temos hoje, muita gente se sente superior ao outro. Será que Nenel está querendo, também, desqualificar o pai dele?Quando retornei, do Rio de Janeiro para Salvador,(década de 80) encontrei alguns mestres de capoeira, angola, usando os tais cordéis. Conversei com todos eles e, após alguma resistência natural, tal simbologia foi gradativamente abolida.Quando no meu blog afirmei a contemporaneidade entre os apelidos e a capoeira regional não pensei em atingir o saudoso Mestre Bimba nem a nenhum outro mestre em especial, mas áqueles que consciente ou inconscientemente, continuam com uma prática que tem sido, atualmente, foco de discussões. Principalmente nas escolas, pelo efeito que o apelido causa no psique das crianças e adolescentes Aliás, dos antigos alunos do mestre que se tornaram famosos e que receberam apelidos pejorativos, inteligentemente, não permitiram que tais apelidos viessem a criar raízes. Já ouviram falar em pinico? E outros de uma grande lista. Entendo essa polêmica como resultado de uma discussão que, com certeza, levará muitos alunos e até mestres à reflexão. Outros, no afã de justificar seus comportamentos, não sairão da frente do computador buscando a história do Mestre Moraes. Tenho a certeza de que só divulgarão o que servir como instrumento para a negação dos meus feitos pela capoeira. Ora, isso está virando moda. Até o Mestre Pastinha já foi vítima dessa forma tendenciosa de fazer pesquisa. Naquele momento eu não me pronunciei porque sei da impossibilidade de alguém, seja quem for, conseguir negar o significado do Mestre Pastinha ou Mestre Bimba para a história da capoeira. Seria alguma coisa do tipo, banana comendo o macaco. Ops! De qualquer forma, quero agradecê-lo por lembrar-me da minha condição de aprender com os erros. Lembre-se que, todos nós, já fizemos as nossas necessidades fisiológicas nas fraldas quando bebês. Eu cresci, adquiri experiências, fui tornado mestre de capoeira e parei. Agora estou tentando ensinar, aos que ainda são crianças, como limpar o bumbum. Ninguém está obrigado a aceitar as minhas orientações. Nem os meus alunos. Finalizo aqui a discussão sobre o tema, pois tenho outros assuntos concernentes à capoeira a serem apresentados. Moraes.

7 comentários:

  1. Muitas vezes uma leitura mal feita leva a má interpretações. E mais: na internet as pessoas respondem como querem e acabam querendo ser combativas, muitas vezes à toa. E se deixam levar por comentários dos outros, esquecendo o fundamental do texto.
    Mestre, nem esquente. Posso não concordar 100% com o que foi escrito sobre apelidos, afinal, no meu modo de ver eles fazem parte da nossa cultura brasileira (e nao só da capoeira) mas entendo seu ponto de vista. Só saiba de uma coisa: a cada texto do senhor, teremos polêmica.

    Cabeleira

    ResponderExcluir
  2. Saudação ao senhor mestre Moraes e a todos os leitores , tenho em minha familia uma historia particular sobre apelido que comesou como quase todos , no objetivo de humilhar e diminuir o individo ( meu avô paterno ) porem meu pai usou de muita sabedoria e transformou em um nome de hora mas é um daqueles poucos e raros casos que terminou bem , sou contra e não temos este costume em nosso meio Capoeira Atitude por achamos de má qualidade para o prosseso de formação de pessoas . Mas para finalizar quero escrever o que sei de longas datas : O segredo do sucesso eu realmente não sei , mas o do fracaso é tentar agradar a todo mundo !!! Forte abraço.

    Clayton Ponte Boris .
    Grupo Capoeira Atitude
    jc.clayton@bol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Só um correção : a palavra que é HONRA e não hora . Perdão ??? Abraço.

    Clayton Ponte Boris.

    ResponderExcluir
  4. Mestre!

    A verdade doi e alguns não aprenderam que um dos fundamentos da Capoeira é ter a humildade de aprender com os erros. Aprendo muito a cada polêmica como essa, principalmente com as estratégias tomadas pelo senhor, contra as flechas de má pontaria. O que mais me admira é que mesmo respondendo as ofenças, o senhor ainda mantém a preocupação de ensinar quem lhe ofendeu. O senhor poderia simplismente deixar que a vida os ensinasse, e dedicar seu tempo e sua sabedoria aos que querem realmente aprender, mas não prefere orientá-los. Essa é uma prova nítida do que significa ser mestre, de sua luta e preocupação com futuro da Capoeira Angola. Entendo através de sua postura que o desrespeito realmente doi no rosto de quem fez.
    David

    ResponderExcluir
  5. A questao de toda que originou essa polemica, reside no fato de que Mestre Moraes 'e hoje uma personalidade importante dentro do universo capoeiristico, um referencial a ser citado e por muitos seguido. Referencial esse que nao limita-se apenas a realidade da capoeira angola, mas estende-se a realidade capoeiristica de modo geral. Sendo assim tudo o que mestre Moraes disser ou ainda fizer, tera um certo "peso",vindo assim a repercutir tanto de forma positiva como de forma negativa, onde o positivo e o negativo tera como referencia primaria e imediata a simpatia ou antipatia daqueles que erguerao suas "vozes" de forma favoravel ou ainda contraria a posicao adotada por mestre Moraes. Mestres como Joao Grande de Pastinha, Joao pequeno de Pastinha,mestre Moraes, mestre nenel, Mestre Camisa, entre alguns outros precisam saber que suas palavras, acoes, reacoes, e afins, sempre terao uma repercussao impar, quando comparadas com a de outros mestres, pois como ja relatei anteriormente no caso de mestre Moraes, e agora extendo-me aos demais que aqui citei, sao personagens importantes de nossa epoca, e tambem referenciais por muitos citados e seguidos. Um gesto executado em um momento de jogo, ou de toque, uma palavra proferida por esses mestres sem duvida afetara toda a sociedade capoeiristica, e sendo assim AS POLEMICAS, SAO E SEMPRE SERAO NORMAIS. Eu mesmo quando li pela primeira vez e ainda por cima superficialmente o texto de mestre Moraes, tive uma reacao de auto-defesa, pois de certa forma eu utilizo apelidos dentro da minha escola, onde o aluno tem o direito de aceitar ou nao, e nao sao todos que possuem apelidos. Porem com as respostas que mestre Moraes postou a alguns mestres, eu entendi que o alerta de mestre Moraes vinha de encontro com o fato de que EXISTEM casos onde o Pseudonimo "agride" o aluno, e dentro dessa otica eu senti a necessidade de rever minha posicao e por conseguinte minha postagem. Foi uma reacao natural, digamos ate que instintiva frente a um "suposto" ataque, onde na verdade nao era um ataque mas sim um alerta. O que tenho a dizer ? VALEU PELA AULA TEORICA E PELA EXPERIENCIA ADIQUIRIDA. (antes de contra-atacar, observe se realmente voce foi atacado).
    cmpaulinho@hotmail.com Paulo Roberto.

    Desculpem-me pela falta de acentuacao. Escrevo da Grecia e os computadores daqui nao possuem nossos acentos.

    ResponderExcluir
  6. mestre eu te admiro muito eu sou seu fam .
    mestre o senhor tem que saber que depois do mestre pastinha quem evolui a capoeira angola foi o senhor com seus alunos que tem mundo hoje da capoeira angola que hoje e mais divulgada todos tem que agradecer o senhor ai na vida da capoeira que a maioria dos angoleiro hoje que esta rodando pelo mundo da capoeira angola com muito respeito tem que sempre lenbra do sehor mestre moraes e a sua filosofia e a forma de ensinar e por isso que seus alunos faz um trabalho falando bem sempre do senhor na vida mestre grande abraco axe

    ResponderExcluir
  7. Valeu Mestre muito bom ve-lo implodindo falsos conceitos que estão disseminados em nosso meio.

    Com o Axé do Bará meu abraço.

    ResponderExcluir

Ao deixar um comentário escreva seu nome e seu e-mail. Ajude-nos a fortalecer nossa rede de contatos!