11 de mai de 2009

Meu cantar tem sentimento.

Estou preparando um artigo sobre a importância da música na capoeira angola, além de estar interpretando algumas letras de músicas dos CDs do GCAP.


PODEM ESPERAR!


Mestre Moraes.

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde Mestre Moraes. Saúde e Paz Sempre...

    Estamos acompanhado suas contribuições históricas e culturais neste blog. O sentimento conduz estas informações de forma sincera e sobretudo democrática. Espero que atinja o maior número de pessoas, capoeiristas ou não. Para nos é sem dúvida uma forma de aprendermos, todos os dias, pois é o que queremos.

    Muito Obrigado. Walter Júnior
    ( capoeira Atitude ) Fortaleza - Ceará

    ps. Solicito autorização para imprimir e democratizar nos sábados de estudo do grupo.
    Nestes dias discutimos sobre cordel e suas formações e ainda as ladainhas e avaliações interpretativas de discos do GCAP.

    ResponderExcluir
  4. Mestre!

    Temos muitas dúvidas , principalmente sobre as ladainhas do último cd, os alunos já selecionaram uma série de perguntas. As ladainhas que já conversei com senhor sobre seus significados, já transmiti para eles em nosso grupo de estudos e as quais não tive oprtunidade oriento-os a aguardarem sua vinda para perguntarmos.
    Abraço
    David

    ResponderExcluir
  5. Caroline Césari14 de maio de 2009 08:13

    Mestre Moraes tenho uma dúvida sobre a musicalidade da capoeira que a muito gostaria de solucionar com o Sr. Sabemos que Mestre Pastinha em suas rodas de apresentação acabava inserindo no ritual outros instrumentos como a castanhola por ventura da presença de uma espanhola em sua roda, por exemplo. Hoje em dia na maioria dos grupos de Capoeira Angola a formação da bateria é baseada na formação do GECAP. A formação da bateria de Mestre João Pequeno é diferente, bem como a de Mestre João Grande que também é diferente da daquela praticada no GCAP. Qual foi o critério (musical ou histórico) adotado pelo Sr para organizar os instrumentos na bateria do seu grupo? Essa formação está envolvida com a musicalidade do GCAP,de que forma? A escolha dos intrumentos que são a base da formação da bateria de qualquer grupo (3 berimbaus, atabaque, pandeiro, reco-reco e agogô) se consolidou como e quando? Meu nome é Caroline sou aluna do Mestre Rogério da Associação de Capoeira Angola Dobrada em Belo Horizonte.
    Um abraço e parabéns pela iniciativa do blog, um instrumento muito eficiente para chegarmos até o Sr e termos a oportunidade de poder saber mais e discutir melhor questões importantes para o universo da Capoeira Angola.
    Caroline Césari

    ResponderExcluir
  6. carolinecesari@yahoo.com.br14 de maio de 2009 08:15

    Mestre Moraes tenho uma dúvida sobre a musicalidade da capoeira que a muito gostaria de solucionar com o Sr. Sabemos que Mestre Pastinha em suas rodas de apresentação acabava inserindo no ritual outros instrumentos como a castanhola por ventura da presença de uma espanhola em sua roda, por exemplo. Hoje em dia na maioria dos grupos de Capoeira Angola a formação da bateria é baseada na formação do GCAP. A formação da bateria de Mestre João Pequeno é diferente, bem como a de Mestre João Grande que também é diferente da daquela praticada no GCAP. Qual foi o critério (musical ou histórico) adotado pelo Sr para organizar os instrumentos na bateria do seu grupo? Essa formação está envolvida com a musicalidade do GCAP,de que forma? A escolha dos intrumentos que são a base da formação da bateria de qualquer grupo (3 berimbaus, atabaque, pandeiro, reco-reco e agogô) se consolidou como e quando? Meu nome é Caroline sou aluna do Mestre Rogério da Associação de Capoeira Angola Dobrada em Belo Horizonte.
    Um abraço e parabéns pela iniciativa do blog, um instrumento muito eficiente para chegarmos até o Sr e termos a oportunidade de poder saber mais e discutir melhor questões importantes para o universo da Capoeira Angola.
    Caroline Césari

    ResponderExcluir
  7. Mestre!

    No treino de ontem, aproveitamos a data e conversamos nos quinze minutos finais sobre a interpretação da Ladainha "Rei Zumbi dos Palmares", discutimos sobre os fatores externos que infuenciaram na abolição da escravatura, principalmeste a influência inglesa. Conversamos sobre a organização social de Palmares, sobre a história de Ganga Zumba e Zumbi, sobre a questão da propriedadde coletiva, da liberdade , da igualdade, da sustentabilidade, da resistencia e recriação do modo de vida africano.Observamos através dos relatos dos alunos que, os professores da rede pública ainda não estão trazendo essa discução para a sala de aula. Várias críticas foram apontadas, principalmente sobre as estratégias da elite aristocrata para perpetuar seu poder e influênciar a opinião pública, e como esse comportamento eletista se perpetua até os dias de hoje;apenas um fato foi apontado pelos alunos como relevante em relação a data, após a abolição nenhum brasileiro poderia ser comercializado em território nacinal, esse fato serviu como carta na manga para os movimentos de resistencia em andamento no período. Concluimos que essa ladainha é um dos exemplos marcantes da importância da musicalidade do GCAP.

    ResponderExcluir
  8. No pouco tempo que tenho de prática da capoeira angola já vi alguns exemplos como o que se seguem abaixo.

    Detalhes:
    curso de capoeira angola(com certificado)
    ministrado pelo Mestre Elmo Braga
    Grupo Laço Forte/Contra Mestre Armario
    inicio 05/08/09 - termino 29/08/09 (4ª/6ª/sab.)
    entrega do certificado dia 05/09/09 dia do batizado do grupo - maiores informações(21)7850-9908(estagiario Correia)/7865-8165(instrutor sacura)

    Em muitos bate-papos virtuais, inclusive em alguns comentários desse blog, as pessoas falam que capoeira é livre, que ninguém tem a certidão da capoeira angola, etc. Parecendo dizer que práticas como o exemplo acima são perfeitamente normais. Só que para mim, que pratico à um pouco mais de seis meses, esse tipo de coisa é um desrespeito com a capoeira angola. Sendo ela um bem comum dos angoleiros, todos deveriam defende-la, mas sei existem muitos que batem palmas para esse tipo de coisa.
    Deixo aqui essa sugestão para que o senhor possa comentar e falar-nos sobre esse uso público do termo capoeira angola.

    ResponderExcluir
  9. Moraes, Dito Mestre Moraes, Excelente Capoeirista, perfeito em seu canto, quanto sentimento!!
    Visto como um intelectual, pessoa inteligente,um exemplo a ser seguido, exceto por um detalhe.
    Tirar foto com aprendiz de Capoeira vai fazer o senhor uma pessoa pior?
    Posto aqui uma sugestao: Que seja mais hulmilde pois existem vários Capoeiristas que gostariam muito de conhecer o senhor, nao o fazem por esse seu jeito sem educação de ser.. Essa sugestao servirá apenas se o senhor achar importante para os jovens Capoeiristas..
    Reveja esse conceito ai!
    Muito Obrigado
    IÊ MAIOR É DEUS PEQUENO SOU EU! VIVA MEU DEUS!!

    ResponderExcluir
  10. Mestre Moraes, preciso entrar em contato com a GCAP via e-mail. mande-me para o endereço abaixo o e-mail de vocês:
    ubirajaracoite@hotmail.com

    Joseval Castro Lima.

    ResponderExcluir
  11. Bom dia! Estou postando pela primeira vez nesse veículo. Estou extasiado pelo fato de ter acesso a um Mestre que preserva os valores inerentes à Capoeira Angola. Me sinto contemplado pelos comentários acima, exceto o anônimo, que afirma o "jeito sem educação de ser" do Mestre Moraes. Os momentos em que tive a oportunidade de conviver com Ele, me são suficientes para discordar. As atitudes das pessoas devem ser entendidas na sua totalidade, não em momentos únicos, até mesmo porque as pessoas públicas também têm direito a sua individualidade e temos que respeitar essa condição. Os contatos que tenho com o Mestre Moraes me têm sido fundamentais em minha trajetória como capoeirista, pois não pretendo ser apenas um jogador de capoeira. Aprendí com meu professor André "Barata" que a subjetividade da capoeira passa por buscar formas de aprender e, acima de tudo, respeitar as diferentes formas das pessoas ensinar. Eu só tenho a agradecer ao Mestre Moraes pela contribuição significativa que vem dando ao meu modo de ver a Capoeira Angola e, através dela, as demais atribuições de minha existência material e espiritual. Que Deus e Ogum o protejam!!!

    ResponderExcluir
  12. Mestre Moraes sou a moça que escreveu um artigo para o jornal de notícias de Assis com uma ladainha sua, estou desenvolvendo uma pesquisa de mestrado estudando as cantigas de capoeira angola como forma literária da tradição oral afo-brasileira, me interessei muito em conhecer o artigo que o senhor disse que vai escrever sobre a importância da música na capoeira, espero poder usar seu artigo em minha bibliografia. Axé, Carla, email:natuangola@gmail.com

    ResponderExcluir
  13. Mestre Moraes,
    já que está preparando texto sobre a música na capoeira Angola, gostaria que abordasse a questao das palmas. Bate-se palmas no samba, e parece bem provável que no passado batia-se também na capoeira, quando ao querer vadear na rua faltava instrumentos.

    ResponderExcluir
  14. MESTRE MORAES SOU DO ESTADO DE SAO PAULO E SEMPRE ADMIREI SEU TRABALHO E EU GOSTARIA DE SABER COMO FAÇO PARA GANHAR DVDS E CDS DO SENHOR.OBG;ASS-MESTRE LANÇA FINA DE SAO PAULO

    ResponderExcluir

Ao deixar um comentário escreva seu nome e seu e-mail. Ajude-nos a fortalecer nossa rede de contatos!