4 de mai de 2010

Estarei de volta em breve.

Caros companheiros,

sei da ansiedade de alguns para saberem as novidades da capoeira. Quando eu dou uma parada é porque as atribulações não me dão um tempo para atender às suas ansiedades, mas posso adiantar que estou em busca desse tempo.
Pediria aos meus seguidores que escolhessem um tema dos seus interesses, concernente à capoeira, para que nós discutamos aqui nesse blog.

Vejo-os em breve,

Mestre Moraes.

9 comentários:

  1. Mestre Moraes,

    Gostaria que falasse um pouco da importância da capoeira angola no resgate da cultura e cidadania afrobrasileira,obrigado.


    Vinicio,Goiânia-Go

    ResponderExcluir
  2. Mestre, gostaria de saber o que é que "falta" nos seus alunos e nos angoleiros que o senhor ve pelo mundo afora?
    Com quais aspectos / vertentes da capoeira precisamos nos preocupar mais atualmente?

    ResponderExcluir
  3. oi mestre moraes tudo bem eu gostaria que o senhor falasse um pouco da historia do mestre atenilo e o mestre bimba porque muita gente falam que mestre bimba foi angoleiro mais muitos capoeirista que treina capoeira regional nao acredittam./ quando muita gente fala entendeu mais eu te fico muito feliz pelo o seu trabalho como sempre grande abraco axe

    ResponderExcluir
  4. Hoje, várias são as discussões acerca da "importância" do reconhecimento dos mestres ou da comunidade à formação dos novos angoleiros, que serão responsáveis pela disseminação de nossa arte pelo mundo a fora.
    Muita gente fala muita coisa, mas, gostaria de entender (se é que existe como expressar esta de forma clara...) qual o papel socio-politico que estes devem representar para os novos discípulos da Capoeira Angola.
    Enfim, na sua opinião... quais as qualidades (fora as físicas) que devem ser alcançadas para que estes novos que estão chegando, possam ser reconhecidos (pensando nas outras ormas que não são perceptiveis a "olho nú")?
    Se puder ser feito uma conexão com a mesma visão, mas do jeito que era pensado pelos antigos... seria algo legal.

    Omowale - FICA-SP

    ResponderExcluir
  5. Mestre Moraes;

    Eu tenho muita curiosidade em saber mais sobre a sua ida para o Rio de Janeiro nos anos 70. O que o levou a ir para o Rio? Como foi sua impressao da capoeira ao chegar la? Como foi recebido? Qual foi sua "luta"? Como era para os praticantes da Regional ver o Mestre Moraes na roda? Enfim, sera que teria um momento para este bate papo neste blog ou fora dele?
    Desde ja agradeco.
    Com respeito, Gege.

    ResponderExcluir
  6. Mestre!
    Gostaria que o senhor falasse sobre a importância da tradição na capoeira angola.
    E se la tem mudado desde que começaram a surgir os novos "mestres" e "contramestres" que hoje estão espalhados pelo mundo.
    Muito obrigada!!!

    Sol

    ResponderExcluir
  7. Mestre!
    Gostaria que o senhor falasse sobre a importância da tradição na capoeira angola.
    E se ela tem mudado desde que começaram a surgir os novos "mestres" e "contramestres" que hoje estão espalhados pelo mundo.
    Muito obrigada!!!

    Sol

    ResponderExcluir
  8. Mestre, um tema de interesse é a internacionalização da capoeira. Há hoje mestres estrangeiros, ensinando outros estrangeiros fora do Brasil, há "linhagens" de capoeira que se afastaram do Brasil e se tornam independentes em seus países. Acha bom ou ruim essa globalização da capoeira?
    Paz!

    ResponderExcluir
  9. Mestre Moraes,

    Pegando o gancho da Gege (acima), gostaria que o senhor falasse sobre a relacao entre a famosa frase do Malcolm X - BY ANY MEANS NECESSARY! com relacao ao seu trabalho de plantar a capoeira Angola no Rio de Janeiro na decada de 70.

    Forte abraco,

    Armando

    ResponderExcluir

Ao deixar um comentário escreva seu nome e seu e-mail. Ajude-nos a fortalecer nossa rede de contatos!