3 de jan de 2010

Releia, Glauber!!!

Ô Glauber,

1- O macaco a quem a música se refere é o negro escravizado na labuta do dia-a-dia, no Engenho, pilando o milho. Cheguei a colocar em negrito os termos: "como gente, macaco"

2-Quanto à segunda música, eu não propus mudança alguma. Se alguém fez isso foi você com o " Santo Antonio completô a marquinha(?) de Nòe (sic)".

Obrigado pela participação,

Moraes.

6 comentários:

  1. Rodrigo Chagas Campos5 de janeiro de 2010 20:28

    Boa Noite Mestre Moraes!Meu nome é Rodrigo Chagas, sou capoeira aqui de São Paulo, achei muito interessante essa discussão e gostaria de perguntar uma coisa.É sobre a música "quebra milho como gente, macaco", eu já escutei Mestre Ananias cantando ela assim "quebra lami comu gê, ê maca"(não sei como se escreve) e gostaria de saber se ambas tem o mesmo significado?
    E também mestre será que quando essas músicas foram criadas, o intuito era mesmo pejorar a imagem do negro?

    Obrigado pela atenção mestre!

    ResponderExcluir
  2. Glauber "Eu Sou Angoleiro"8 de janeiro de 2010 11:16

    ô Mestre!
    Obrigado pela atenção e pelo apontamento da minha falta de atenção. Mas, Moraes, minha confusão com relação a este corrido tem a ver com as variações que já ouvi dele.
    Recentemente M. João Grande esteve em BH, cantou este corrido e corrigiu o coro. O certo não seria "São Antônio é protetô" e sim "S. Antônio completô a barquinha de Noé".
    No livro do M. Bola Sete está "S. Antônio consertou".
    Vi que você tem consigo que o certo é "protetô", e este também é o modo como meu grupo, "Eu Sou Angoleiro", canta.

    Mas e estas variações? Consideremos inclusive que quem propõe uma desta variações é M. João Grande, mestre importantíssimo para a capoeira angola e detentor de grande saber acerca da nossa dança-luta.
    Outra questão: ainda que seja "S. Antônio é protetor da barquinha de Noé", eu não captei o quê de preconceituoso está neste verso.

    Muito obrigado, Mestre!
    axé!

    Glauber
    glaubervp@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  3. com o humilde respeito da palavra...
    Muito interessante discussão, uma vez q a tradição oral está diretamente ligada à musicalidade..
    Realmente a observação do glauber é curiosa, e tenho muito interesse em ver sua resposta mestre moraes..

    em consideração as palavras dos camaradas, lembrei q um capoerista q conheci q treinou com o mestre joão grande, uma vez me fez uma observação aos corridos e ladainhas q tratavam sobre a questão do genero feminino, como "ela tem dente de ouro foi eu quem mandei botar, vou roga-lhe uma praga pra esse dente se quebbrar"..e outras terminantemente proibidas como "me leva morena me leeva me leva pro seu bangalô"..com a explicação de q eram musicas q de alguma forma desrespeitavam as mulheres..

    -Gostaria de saber se o mestre moraes tbm compartilha com esse tipo de pensamento..como aborda a questão genero nas usas canções.

    De fato as canções q deprimem a nossa raça negra é nítida em algumas canções e me intriga como as pessoas reproduzem isso sem o menos senso crítico..e me espanta mais ainda ouvir mestres respeitados como o mestre ananias cantar: "nego nagô quando morre tem catinga de sariguê"..realmente não entendo, será alguma mensagem q eu na minha ignorancia não tenha atentado..

    parabens pelo centro de discussão virtual, estarei sempre por aqui, abraço a todos.
    ...ASÉ !!.

    ResponderExcluir
  4. Leão,
    para endossar a discussão sobre gênero e capoeira, q tmb é de meu interesse - me nego a cantar, por exemplo, o samba de roda "se essa mulher fosse minha tirava da roda jájá, dava um surra nela e mandava o povo pegá ..." - indico o artigo "A Representação da Mulher nas Cantigas de Capoeira" de Maria Barbosa. ( link: http://74.125.47.132/search?q=cache:3Vk0mBzI1F8J:www.plcs.umassd.edu/docs/plcs1516/barbosajun162006.doc+representa%C3%A7%C3%A3o+mulher+capoeira&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&client=firefox-a )

    E concordo com vc e com o Mestre qdo propõem q precisamos ter senso crítico ao praticarmos a capoeira. Sempre há o risco de reproduzirmos aquilo q abominamos e lutamos contra por simples falta de reflexão crítica.
    abraço,
    Glauber

    ResponderExcluir
  5. Caro Glauber,

    Nossa história não pode ser apagada. Deixar de cantar qualquer música tradicional da capoeira tentando dar qualquer interpretação para a mesma é um assassinato da própria. A arte deve ser respeitada e jamais manipulada. A tradição deve ser preservada e jamais alterada. Não interessa se você interpreta a música como pejorativa ou não. É como querer queimar as fotos do Holocausto. E foi o que Rui Barbosa fez com o registro da nossa história e é o que vc faz quando deixa de cantar QUALQUER música por um julgamento seu. Moralismo JAMAIS!



    Portanto como diria meu pai "Quebá la mi como gê, MACACO!!!, pega esse nego e arrebento, pego esse nego e sangro, pega esse nego e mato", para não esquecermos da nossa história.

    Abç e muito axé.
    Fabio

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o Fábio. Não se pode passar uma borracha na história. O preconceito tem que ficar vivo na memória, através de todos os registros, para que não volte a acontecer. A reflexão é sempre bem-vinda, mas a arte tem sua licença poética.

    ResponderExcluir

Ao deixar um comentário escreva seu nome e seu e-mail. Ajude-nos a fortalecer nossa rede de contatos!