20 de jan de 2010

O inferno são os outros.

Tenho acompanhado, através dos vários meios de comunicação, o sofrimento do povo haitiano após o terremoto que devastou quase 100% da cidade de Porto Príncipe, e as interpretações de cunho religioso que têm sido apresentadas para justificar a catástrofe. As declarações do diplomata Gerge Samuel Antoine, Cônsul do Haiti não me surpreenderam porque muito antes de ter acontecido um terremoto naquele país, Caetano Veloso já tinha bastante referências para afirmar que "o Haiti é aqui". Acredito que a intolerância religiosa seja, dentre outras, uma dessas referências. Na pessoa desse Cônsul, a representação do "pânico mal dissimulado" é o manuseio de um terço(católico) para "aliviar a tensão"gerada pelo que está acontecendo no país do qual é representante. Temos muito desse tipo de "pânico" aqui na Bahia.
Dando continuidade a mais uma representação dos "silêncios sorridentes", um líder evangélico, nos Estados Unidos, justificou o terremoto como "um castigo divino" pelo fato de os haitianos "terem se valido", em1804, da ajuda do demônio para conseguirem se livrar da colonização francesa.
Tentando dar um basta nesses desarranjos mentais, sugiro a esses e aos que fazem côro a essas baboseiras que analisem o problema do Haiti da seguinte forma: quem nunca ouviu o ditado de que Deus escreve direito com linhas tortas? Caso tal afirmativa seja verdadeira, por que só Êle? Observemos que, após a catástrofe, os olhos do mundo inteiro estão voltados para aquele país, o que não estava acontecendo antes. Seria mais politicamente correto acreditarem que os deuses dos haitianos, tão criticados pelos seguidores de outros deuses, tiveram um Mestre e estão fazendo o dever de casa. E, assim, conseguindo chamar a atenção da comunidade internacional, inclusive dos ex-colonizadores, para a desgraça que eles levaram para aquele país. Neste caso, o terremoto e as várias vítimas, inclusive estrangeiras, não simbolizariam as linhas tortas dos deuses haitianos?

Mestre Moraes.


5 comentários:

  1. Mestre, acredito que este site venha a servir como uma boa complementação para o teu texto.

    http://correionago.ning.com/video/terremoto-no-haiti-consul

    Até!
    Kátia

    ResponderExcluir
  2. Mestre o Sr. realmente e de uma sabedoria unica!

    Parabens pelo texto!


    Flavia Shuthuz

    ResponderExcluir
  3. Mestre, penso que o importante, realmente, é conseguirmos perceber que D(d)eus é uma força livre e tão natural quanto misteriosa e, que o povo haitiano possa tanto quanto precisa, construir-se a partir daquilo que, com certeza, reconheça como sua essência, possibilitando que a verdade se manifeste. A catástrofe, de certo, não reflete o que aqueles seres humanos desejam, mas, a hipocrisia e o medo generalizado no mundo.

    ResponderExcluir
  4. Mestre não o conheço pessoalmente ...

    Mas gosto muito da sua linhagem de pensamento!

    Sabias palavras que o sr. colocou neste texto! Falo Tudoo!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Sábias reflexões! Se a Capoeira Angola fosse uma entidade acedito que ela teria falado desse jeito pela sua boca.
    Um grande abraço de seu amigo cearense.

    ResponderExcluir

Ao deixar um comentário escreva seu nome e seu e-mail. Ajude-nos a fortalecer nossa rede de contatos!